Ao final de minha resposta, o professor doutor André Luís Villa de Almeida, do curso de cinema da Universidade Federal do Pará, disse: “me senti discriminado”. Eu respondi e afirmei que racismo reverso não existe.
  • Ingrid

    Te desejando força daqui de Manaus

  • Marcmel

    Caso de processo.

  • Já foste a uma delegacia? Isso não pode ficar impune! Este ser que te agrediu foi meu professor. Parece muito pacífico, mas capas são apenas capas… Deplorável tudo o que envolveu essa constrangedora situação.

  • Estou perplexa, pois a gente ouve muitos casos assim. Contudo, quando acontece próximo de nós é inevitável virmos a refletir e não ficarmos assustados. Ainda mais dentro do ambiente acadêmico, muito triste pensar que onde deveriam estar pessoas que não tivessem esta atitude e levantassem a bandeira e o discurso da diversidade e do respeito ao outro, ainda ocorra esse tipo de desrespeito e falta de humanidade. Como mulher e defensora da diversidade e do respeito ao outro, ressalto a importância de você divulgar isso e a coragem de levar em frente um processo. O que aconteceu é muito grave, e essa pessoa deve ser punida de alguma forma para aprender a respeitar os outros. Me pergunto, o que ele veio fazer aqui na Amazônia, se o tempo todo ele vai se deparar com a diversidade em várias perspectivas? Bem melhor ter ficado na Europa, fala sério!!!

  • Tafta

    que absurdo!! conte com meu apoio para qualquer tipo de manifesto que ocorrer contra esse professor sou de Belém tbm e fiquei indignada quando soube disso.
    você devia ter denunciado ele assim que vcs chegaram em Belém.

  • Marcela

    Não fará uma queixa formal na delegacia da Mulher? Esse tipo de agressão é inaceitável. E se ocorreu em uma atividade acadêmica cabe um processo administrativo contra ele.

  • S. L.

    Você consegue perceber o quanto forte é seu relato?

    Abraço afetuoso!