Meu diálogo nesse texto é com todas as mulheres negras que tem qualquer relação de grande afeto com uma criança – seja mãe/avó/tia/madrinha/vizinha, isso não importa. É uma tarefa dura se posicionar politicamente quando o assunto envolve nossos filhos e crianças amadas: por mais que possa parecer elogioso para uma mãe ver um filho sendo super valorizado e celebrado seja pelo motivo que for é importante atentar para as questões raciais que um simples elogio pode carregar.
  • ppp

    lendo seu texto lembrei de uma coisa. sou branca com bisa índia, minhas primas tem mais da nossa bisa que eu, cabelo mais grosso e liso e minha mãe dizia que eu nasci “mais bonita que elas pois eram bem branquinha e elas com cor de pano de chão encardido”. falava assim de qualquer pessoa que nao fosse nem branca ou negra de pele escura. demorei anos pra perceber o significado disso que ela dizia (internet ajudou) e como isso deve ter influenciado em mim para poder tentar educa-la.

  • Suzane Jardim…. <3

  • vivi

    Uma mulher sem noção perguntou se eu era babá do meu filho … Logo veios os elogios q bebe lindo a mãe deve ser linda… Na hora fiquei catatônica

  • Muito Bom texto Suzane, análise precisa e profunda. Dentre outras coisas, considero uma resposta a retórica álibi que enuncia supostas confusões sobre ser negrx no Brasil em meio a então, miscigenação, argumentos entraves na luta Anti-racista. Parebéns1

  • Texto incrível! Lacrativo. Parabéns e espero que continuem tocando nas nossas feridas sociais ainda tão abertas.

  • Suzane Jardim, parabéns pelo texto. Situação tão delicada que você coloca que tem poucos comentários em sua publicação. Você corajosa vai no nervo, aperta mesmo. E é importante falar. Porque isso é dor. Que condição nossa que somos cerceadas em nosso desejo em nossas escolhas? Trabalhemos mais para que seu filho possa engendrar um mundo no qual possa ser e amar livre.

  • Ana Carolina

    Perfeito o seu texto. Sou parda e tenho uma filha branca de olhos verdes e sei bem o que a autora do texto sofre.
    Várias pessoas me param na rua para elogiar a minha bebê, dizendo que ela é linda e como ela não tem nada a ver comigo, saiu inteirinha ao pai (que é branco de olhos verdes).
    Parece-me que a intenção dessas pessoas é afirmar: “viu, você tem uma filha branca, mas só a pariu, viu?! Porque ela não tem nada seu, ainda bem, o cabelo é bom, o olhinho claro, nem sei como ela saiu daí de dentro assim.”
    Isso magoa demais, não pela minha bebê, que é linda mesmo, mas pela má intenção das pessoas em dizer essas coisas e ainda afirmarem que racismo é horrível e ainda bem que isso tá acabando no Brasil.
    Mais uma vez parabéns e força na luta! Estamos todas juntas!

  • Gostaria de saber que é a autora do texto, se mesma não estiver escrevendo sob anonimato, porque o perfil de que escreve está como o das mantenedoras do blog. Mas o belo texto está em primeira pessoa. Obrigada.

    • Olá, gradecemos a correção. O texto é de Suzane Jardim e agora foi devidamente creditado em seu perfil. Um abraço!