Em comum tem o humor, a acidez, a diversidade de temas, a luta eterna entre o que quero escrever (os textos mais fluidos e divertidos) e o que precisa ser escrito, as urgências desse tempo reacionário, autoritário em que vivemos, no qual a violência aos direitos humanos recrudesce a cada dia.