Violência contra juventude negra e periférica é um dos temas abordados no Espetáculo “Esperança na Revolta”, que tem as últimas apresentações da primeira temporada neste final de semana no Sesc Tijuca. Na semana Consciência Negra, o espetáculo que tem o objetivo de trazer ao público a reflexão sobre guerras em vários contextos, entre eles situações que resultam no genocídio da juventude negra e periférica.

Dados como a cada 23 minutos, um jovem negro é morto no Brasil. A cada dia, 66 vidas negras perdidas, totalizando 4.290 óbitos por ano, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Números do Mapa da Violência, mostram que um rapaz negro tem até 12 vezes mais chance de ser assassinado em relação a um branco. Revelam a importância das ações que visam trazer consciência e reflexão sobre o tema visando coibir a violência contra população negra.

Entre liberdade, Amor e Sobrevivência, as sete histórias do espetáculo são interpretadas pelos atores Alex Nanin, Cláudia Barbot, Cátia Costa, Tarso Gentil, Daniel Vargas, Lívia Prado, Nádia Bittencourt, Beà, Reinaldo Junior, mostram como a violência atinge a todos, mesmo em diferentes escalas e que a única certeza é que não há vencedores, mas para alguns ainda resta alguma esperança. A partir de diversos personagens, esses atores cantam, contam, jogam, dançam, tocam e vivem histórias de guerra e resistência.

Para o autor e diretor André Lemos, a guerra está sempre presente na vida das pessoas. “O estado de guerra, independente do lugar ou da cultura sempre se encontra vivo, principalmente em nós, negros e favelados. Em alguns momentos e lugares mais críticos, em outros apenas em destroços ou lembranças. Uma identidade humana sem fronteiras.”, destaca .

Se nada for feito, serão 43 mil brasileiros entre os 12 e os 18 anos mortos de 2015 a 2021, três vezes mais negros do que brancos. Entre os jovens, de 15 a 29, nos próximos 23 minutos, uma vida negra será perdida e um futuro cancelado.  Com intuito de mudar essa realidade o Coletivo Artístico Negro “Confraria do Impossível” fez da montagem um projeto de resistência, totalmente idealizado, produzido, liderado por uma equipe negra, que se propõem a universalizar o corpo e as ideias de pessoas negras em qualquer dramaturgia ou personagem rompendo com todo e qualquer tipo de estereótipo.

A primeira temporada do espetáculo se encerra neste final de semana com apresentações na sexta (16), sábado (17) e domingo (18), às 19h, no Sesc Tijuca, localizado na Rua Barão de Mesquita, 539 – Andaraí.

A Segunda Temporada de apresentações inicia no Terreiro Contemporâneo, localizado na Rua Carlos de Carvalho, 53 – Centro, do Dia 23 ao dia 10 de dezembro, às sextas e sábados às 20h e domingos às 19h.

O QUE: Espetáculo “Esperança na Revolta”

QUANDO: 16 de novembro a 10 de dezembro de 2018

ONDE: Teatro Sesc Tijuca II e Terreiro Contemporâneo

Ingressos: R$ 30,00 (Inteira) – R$ 15,00 (meia) – R$ 7,50 (Associados Sesc)

FICHA TÉCNICA

CONCEPÇÃO E DRAMATURGIA: Confraria do Impossível

SUPERVISÃO GERAL: Hilton Cobra

SUPERVISÃO CÊNICA: Vilma Melo

SUPERVISÃO DRAMATÚRGICA: Rodrigo França

TEXTO E DIREÇÃO: André Lemos

ELENCO: Alex Nanin, Beà, Cátia Costa, Cláudia Barbot, Daniel Vargas, Lívia Prado, Nádia Bittencourt. Reinaldo Junior e Tarso Gentil

DIREÇÃO DE MOVIMENTO e PREPARAÇÃO CORPORAL: Cátia Costa e Reinaldo Júnior

DIREÇÃO MUSICAL:  Béa e André Lemos

AUDIOVISUAL: Rizza Habitá

ASSISTENTES DE DIREÇÃO: Camila Barra e Médrick Varieux

PROJETO DE LUZ: Rommel Equer

MÚSICAS: AnarcoFunk e Confraria do Impossível

ARRANJOS E PESQUISA MUSICAL: Béa

STAND-INs: Tati Vilela e Wayne Marinho

CENÁRIO: Tarso Gentil

FIGURINOS: Confraria do Impossível e Caju Bezerra

ACESSÓRIOS: Rubens Barbot

ORIENTAÇÃO TEÓRICA: Simone Kalil

DESIGN GRÁFICO: Maria Júlia Ferreira

OPERADOR DE LUZ: Beto Correa

OPERADOR DE SOM E AUDIOVISUAL: Rizza Habitá

PRODUÇÃO EXECUTIVA: Tati Vilella

SUPERVISÃO DE PRODUÇÃO: Paulo Mattos

DIREÇÃO DE PRODUÇÃO: Confraria do Impossível

REALIZAÇÃO: Confraria do impossível e Terreiro Contemporâneo

COLABORAÇÃO ARTÍSTICA: Camila Barra, Ana Barbara Vila Nova, Lu Lopes, Thiago Vianna, João Nazaré, Robson Freire, Marlúcia Fernandes, Diego de Abreu, Patrícia Ubeda, Marcos Marján, Amanda Palma, Marcela Gobatti e Graciana Valadares.