Coronavrírus nas periferias 005 Maranhão: Mulheres negras jovens no combate ao Covid19

Áudio exclusivo de conversa comJuliana Costa, do Coletivo Mulheres Negras da Periferia, no Maranhão. Edição e parceria: Rádio Aconchego. Dá o play! #CoronaVirusNasPeriferias

Apesar do governo do Maranhão ter sido um dos primeiros do Nordeste a ter ações efetivas de prevenção e redução de danos ao Corona Vírus, a população deste estado tem sentido na pele os efeitos da pandemia.

Nós entrevistamos Juliana ainda no início de junho, e como este contexto tem mudado bastante, parece que estamos diante de um outro mundo. Não só São Luis mudou, como também mudou nossa percepção sobre a pandemia: lojas reabriram, o comércio e até as aulas estão em vias de reabertura e o que isso significa? Os casos continuam crescentes e quem de nós continua figurando os qaudros de morte e descaso?

Em São Luis, cidade com aproximadamente 75% de pessoas negras segundo o último censo, destacamos a voz da jovem liderança Juliana Costa, que aponta as saídas e os fazeres das mulheres negras frente as urgências. Mesmo institucionalmente, combatendo um discurso genocída como tem sido o do Governo Federal, o Maranhão permanece com situações precárias de atendimento e combate.

É quando, mais uma vezes, as comunidades se unem em torno da solidariedade e colocam em prática princípios tão antigos da ação dos movimentos negros e de mulheres negras. Nesse processo, re-descobrimos o protagonismo da juventude, que se coloca à frente das ações como acontece agora no bairro do Coroadinho, inclusive por serem as que resguardam e preservam seus mais velhos que podem se vitimizar mais fácil. As mulheres negras jovens continuam a mover as estruturas do Brasil, de fora a fora.

Ficha técnica | parceria e edição: Rádio Aconchego

Entrevistadora: Larissa Santiago

Trilha Sonora: Nasci no interior, Boi de Pindaré

You May Also Like

Uma crônica sobre o passado

Meu pai me perguntou por que quando outro dia fui perseguida por um homem dentro da universidade, fiquei desesperada, por que não me impus, não ameacei, como tantas vezes faço em outras situações. Também não entendo o porquê. Sei é que só penso em fugir, me esconder, guiada pelo medo. Medo de que ao enfrentá-lo, ele me desse um tapa na bunda e saísse dando gargalhadas.