300 Vozes Negras – por Marielle Franco

Lançamos hoje o projeto “300 Vozes Negras – por Marielle Franco
É uma iniciativa coletiva de mulheres negras que pretende, de forma colaborativa, ser como uma colcha de retalhos ou uma corrente que destrua o que nos limita e assim rompa com as nossas mordaças.
A missão deste escrito é ser uma ferramenta de denúncia, de poetizar as nossas dores, documentar as nossas memórias e ser uma grande ocupação para a vida.

A morte de Marielle Franco nos trouxe a perspectiva de que precisamos continuar a existir, lutar. Por isso, este manifesto, com a intenção de nos resgatar através da escrita.

Como funcionará?

Como o texto será coletivo, cada contribuição é muito importante e terá o dever de respeitar as narrativas das colegas, ou seja, não pode haver nenhuma interferência ou modificação dos textos escritos anteriormente.

Apenas acrescente o seu escrito e depois passe adiante para o próximo endereço do e-mail listado para o envio.

O título será o mesmo para todos os textos. O formato e o tamanho são ilimitados: pode ser curto, longo, uma prosa, poesia ou algo que não considere que tenha uma classificação literária. Que seja seu relato e que deixe a sensação de descarregar a sua bagagem e desse modo respeite a si mesma e as outras companheiras.

Desejamos nesta travessia estarmos sempre de mãos dadas e que possamos seguir os passos das mães negras que embarcaram nos tumbeiros, e ofertaram para as suas crianças o melhor do que tinham, assim transformando suas vestimentas em bonecas Abayomis.

Que os nossos textos sejam um encontro precioso!

Quem pode escrever?

Tem que ser mulher, cis ou trans e ser negra. E só!
Sabemos como o processo da escrita é doloroso para todas nós, porém ele pode ser transformador e curativo, por isso queremos te ouvir, queremos ler o que traz dentro do seu peito e da sua mente. Por favor, não desista.

*Você também pode adicionar o endereço de e-mail de outras mulheres negras, pois deste jeito elas também poderão fazer parte disto.

IMPORTANTE:
Depois que terminar o seu escrito, não se esqueça de assinar, de colocar seu nome (real ou alternativo), localidade (se assim quiser) e também resumidamente o que achar de interessante sobre você (mini-bio).

O texto de número 300, isso quer dizer, a última autora terá a função crucial de enviar para as Blogueiras Negras (blogueirasnegras@gmail.com), em formato .doc e desta maneira este trabalho terá uma postagem pública.

Para participar desta campanha, escreva para kettymaga@yahoo.com.br

Vamos começar?

Agora quero invocar as nossas ancestrais e dessa forma emanar para todas as participantes muito amor e axé e dizer que estamos conectadas através desse grito que está engasgado na garganta desde o século XVI.
Tentaram nos enganar através desse afastamento entre nós e até mesmo do nosso eu, porém chegou o momento de nos levantarmos juntas.
Que a revolução inicie pelas pretas, por meio de um lápis, uma caneta ou um computador. Que a nossa bússola seja a Sankofa, ou seja, um pássaro africano de duas cabeças e segundo a filosofia africana que significa aproximadamente voltar ao passado para ressignificar o presente. O pássaro tem uma cabeça voltada para o passado e outra cabeça voltada para o futuro. Resgatar a memória para continuar fazendo história no presente.

Abril de 2018, texto escrito em font/tipografia comfortaa

You May Also Like
Leia mais

Manifesto de repúdio às ações truculentas e descaso com relação às ocupações urbanas de Isidóro

Nós, Blogueiras Negras, manifestamos nossa profunda repulsa quanto ao tratamento do Governo do Estado de Minas Gerais dado às ocupações por moradia em Isidoro, região metropolitana de Belo Horizonte. Apenas nas ocupações Vitória, Esperança e Rosa Leão são 8.000 famílias, em sua grande maioria formada por mães solteiras e seus respectivos filhos, com uma média de 3 crianças por família. Pessoas cujo maior “crime” é sua própria existência, seu resistir diante de tamanha injustiça social. É demonstrar que a ocupação também pode ser uma política habitacional viável e muito mais justa do que os modelos institucionalizados.